500 Anos da Reforma Protestante

500 Anos da Reforma Protestante Introducao:

31 de outubro de 2017 celebra-se 500 anos da reforma protestante. Um movimento liderado por Martinho Lutero que culminou na separação da Igreja entre católicos romanos e os reformados protestantes, tal movimento desencadeou o enfraquecimento da Igreja católica, fato este que não se restringe puramente ao campo religioso.

Este movimento causou diversos conflitos, principalmente para os germânicos, que mesmo após a reforma a igreja católica lançaram uma série de ofensivas para recuperar seu prestígio, tanto nos campos da arte, da arquitetura e até mesmo militarmente através de guerra e conflitos. Vale ressaltar que a reforma não obteria êxito se não houvesse influência política, social e cultural.

Nesse artigo há um denominador para queda do absolutismo religioso, a Reforma Protestante, de um ponto de vista não teológico e sim historiográfico. Um dos movimentos mais marcantes de caráter religioso no mundo medieval, foi a Reforma Protestante. Na qual pode ser considerada um fator de imensa importância nesse período de transformação com grande destaque no que se refere ao poder econômico.

As cidades dos comerciantes burgueses não eram bem visto pela igreja, principalmente por conta dos clérigos, neste sentido a forma de usar o dinheiro, eram visto como a prática da usura. Isso era uma paulada ao limite do sagrado que Deus tinha sobre o tempo. Como não bastasse os comerciantes passaram por uma a crise da econômica feudal, levando a população a um único questionamento: os dogmas impostos pela Igreja. Sendo assim, cada vez mais os clérigo se aproximavam das questões materiais, o que claramente resultava o direto envolvimento do poder político e a pose de terras.

O sofrimento humano crescia com as mazelas sociais da época. No século XIX surgiram os primeiros movimentos, questionando às crenças e a prática catolicismo, também foi um período fortemente apontado como caótico, na qual houveram grandes incidências de acusações de feitiçarias que se tornaram

corriqueiras entre as pessoas, considerando-as infiéis. Na idade média a igreja determinou a criação do Tribunal Santa, que percorria por toda a Europa, repreendendo as ameaças de seu poder religioso e ideológico. Logo nos séculos XIV e XV, os valores das igrejas não tinham as mesma forças diante de toda mudanças históricas experimentadas. Nesta época já haviam grandes debates referentes as denúncias realizadas sobre a corrupção da própria Igreja, mas ao mesmo havia uma clara defesa a salvação espiritual através da fé.

As teorias foram lançadas por meio de um pensador (que pensador) que virou influência nas obras de Martinho Lutero, no século XVI. Os textos bíblicos eram uma preocupação para o padre Jan Huss (1370-1415), principalmente por não saber como seriam traduzidos para outras línguas. A Reforma Protestante marcou culturalmente e socialmente o fim da idade média, quando o monopólio da igreja foi desafiado pelo próprio setor da igreja. Dando ao desenvolvimento social da península itálica na renascença e as grandes navegações que foram dois atores importantes para a Reforma. Essas mudanças ocasionaram uma série de processo de criação de estados nacionais com o intuito de garantir a soberania territorial da defesa dos interesses econômicos de cada região. A felicidade com que a Reforma Protestante penetrou na região da atual Alemanha se dá por consequência de fatores sociais, econômicos e culturais, o caráter religioso será apenas o gatilho para a reforma, tendo como líder o monge Martinho Lutero. A partir desse ponto inicia-se uma cisão dentro da própria Igreja, principalmente diversas disputas pela cresça dos europeus. Talvez este seja o maior exemplo que se pode ter de como a Europa se encontrava dividida entre o credo católico protestante. Dessa maneira, concedeu-se um movimento histórico de muitas tentativas e fatos a consolidação do movimento reformista. Mesmo diante de um quadro extremo de sofrimento, referente a várias ofensas e lutas, a Igreja formou um conjunto de prática conservando a estabilidade do poder clerical. Assim se deu o início da Reforma Protestante, pelo o padre Martinho Lutero. Quando Lutero passou a perceber que a Igreja Católica concedia o perdão por meio de contribuição financeira, lutou para que essa tese fosse desfeita. Lutero considerava esse jeito, como venda do perdão. O perdão é algo que só Deus pode oferecer, mediante nosso arrependimento e da fé de alcançar a misericórdia.

Conclusão: Este Ano 2017 se comemora 500 anos da Reforma Protestante, que teve como o ato Martinho Lutero. Lutero batia de frente com a forma em que o Papa discutia a separação da igreja e o Estado. Martinho Lutero, defendia o livro sagrado, pois isso traduzia a Bíblia de forma clara e objetiva.

Compartilhar

Comentários