Rodrigo Cunha cobra transparência e sugere instalação de ponto eletrônico

Segundo o deputado não cabe a ele fazer julgamento dos funcionários, mas sim cobrar transparência

Durante uma sessão realizada nesta quarta-feira(19), na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE/AL), o deputado estadual Rodrigo Cunha denunciou a falta de anexos no documento que foi apresentado para auditoria de gastos da Casa. De 164 páginas cerca 94 não constavam no arquivo que foi divulgado pela mesa diretora no último domingo (16).

O relatório da auditoria da Fundação Getúlio Vargas (FGV) que apresentou irregularidades na casa, já tinha sido publicado na folha de pessoal da Assembleia Legislativa na última sexta-feira pelo próprio deputado. Ao analisar o documento ele acabou percebendo que faltavam dois anexos, o 1 e o 4. No primeiro as informações não acrescentam importância ao caso, já no segundo que o mesmo só recebeu quando solicitou, os dados são de interesse da população.

“Este último anexo que recebi também vou tornar público. Ele conta a lista de todos os funcionários desta casa, nós só precisamos saber quem é que não merece, quem não trabalha. Minha função é fiscalizar os recursos públicos”, garantiu o deputado a população.

O deputado solicitou ao presidente da casa cinco medidas necessárias para trazer mais transparência na ALE. A primeira é referente à solicitação que cada comissionário deverá informar, onde está lotado e quanto recebe. A segunda seria convocar os funcionários da Casa para a realização de um censo. Já a terceira é para cobrar a instalação de uma controladoria interna, na quarta ele pediu prazos objetivos para investigar o relatório da FGV e a quinta pede a instalação de pontos eletrônicos.

Acesso à informação

Na oportunidade o deputado ainda enfatizou a importância da transparência da na Casa. Segundo ele é obrigação de todo deputado, vereador e prefeito  prestar conta de suas ações.

Ele insistiu que uma sentença judicial fosse obedecida, pois há 280 dias foi determinado que assembleia cumprisse certos requisitos em seu portal da transparência e que as reinvindicações não estão sendo obedecidas.

Compartilhar

Comentários